Expandir

Lista de 4 itens para você identificar problemas que podem virar softwares de sucesso

Rafaela Campos
Escrito por Rafaela Campos em 8 de julho de 2020
Fique por dentro e seja melhor a cada dia

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Uma pergunta que muitas vezes atormenta quem está querendo criar um novo software para lançar no mercado é: “Faço um software para que?”. Isto porque em alguns momentos a cabeça tem 1 milhão de ideias malucas e em outras é possível escutar somente os “cri-cris” internos anunciando o vazio de potenciais negócios.

Como ideias não pagam contas e precisam virar produtos antes de trazer dinheiro, escolher “para que” a aplicação será desenvolvida é um dos pontos cruciais para o sucesso do negócio. Afinal, desenvolver o produto errado custa muito caro, tanto em termos de tempo, quanto em dinheiro… isto sem contar o sentimento de frustração e desânimo que acompanham o processo.

Então, se você já teve essa dúvida ou está com ela no momento, este conteúdo é para você.

Ao longo das minhas quase 2 décadas criando softwares e tendo negócios nesta área, me dei conta de alguns requisitos que considero hoje fundamentais ao pensar em desenvolver uma aplicação com potencial de sucesso.

Assim, compilei aqui para você 4 dos itens mais relevantes e além das dicas tradicionais e gerais aplicáveis para todos os tipos de negócios. Meu foco aqui é em dicas específicas para empresas de software.

1) As pessoas já fazem os processos de forma manual

É muito comum ao pensar em criar um novo software, imaginar processos que os usuários poderiam fazer dentro da aplicação. Afinal, tudo é possível e quem gosta mesmo de programar pode ter a tendência a sonhar bastante neste momento, porém a realidade é dura e se as pessoas ainda não fazem um determinado processo de forma manual elas não vão começar a fazê-lo via software.

Esta minha frase também pode ser entendida como: elas ainda não tem um problema o qual você possa resolver e então criar uma aplicação em cima disto será criar um problema e não uma solução.

2) O tempo gasto para fazer todas as rotinas é longo

De forma geral, as pessoas tendem a querer fazer as coisas do próprio jeito, pode ser tanto porque acreditam que o próprio jeito é melhor ou veêm as alternativas disponíveis como muito complexas. Porém, sempre as pessoas irão buscar fazer as coisas da forma mais simples possível.

Sendo assim, se a forma mais simples ainda é muito demorada, mesmo que seja fácil, ela é uma forte candidata a ser transformada em um software para diminuir um tempo que manualmente já tem poucas oportunidades de otimização.

3) As rotinas que as pessoas fazem são essenciais para os negócios delas

Vender software definitivamente não é uma tarefa para amadores, e aqui deixo bem claro a diferença entre amadores e principiantes. Principiantes contam com a sorte para começar mas se ao longo do caminho não se aperfeiçoam logo se tornam amadores e começam a amargar taxas de crescimento baixas ou então uma margem de lucratividade no processo muito incipiente.

Por isso, para facilitar nas etapas de venda do software, o processo a ser automatizado deve ser essencial para a operação ou crescimento da empresa do seu potencial cliente. E quando falo essencial significa que sem aquilo a empresa ou não funciona ou então começa a ter problemas graves na operação. Desta forma, você poderá ter certeza de que o seu produto será realmente usado pelos usuários, que a renovação dos seus contratos será mais fácil e em situações de crise você fará parte dos fornecedores do fim da lista de cortes.

4) Existe uma homogeneidade no processo

A não ser que a sua empresa seja uma fábrica de softwares e você receba por projeto, será muito difícil você ter um produto que cresça e sustente seu negócio se não existir homogeneidade no processo a ser automatizado pela sua aplicação, especialmente se você for vender para pequenas empresas com mensalidades baixas. Isto porque pouca homogeneidade significa maior complexidade, resultando em mais parâmetros, configurações, treinamentos, consultorias, suporte e uma série mais de atividades, encarecendo a operação.

Logicamente, nunca irá existir um processo manual muito homogeneizado, o problema é quando eles diferem muito entre si e você não consegue criar um único processo que atenda necessidades fundamentais de todos e de forma melhor do que as pessoas já fazem hoje, manualmente.

Finalizando, ter em mente estes pontos ao olhar para possíveis mercados e problemas para os quais você queira criar aplicações pode te ajudar a identificar melhores oportunidades, perder menos tempo e aumentar as chances de construir um software de sucesso. Por isso mantenha estes itens com você e quando tiver uma ideia, leia estes tópicos novamente.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *